quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Biografia Involuntária dos Amantes

quarta-feira, 10 de setembro de 2014
Mais um livro surpreendente de João Tordo.
Não é novidade que gosto bastante da sua escrita e o acho um dos melhores escritores portugueses da actualidade, e este livro vem reforçar esta minha opinião.
Uma escrita cuidada e cativante, que prende o leitor desde o inicio.
Recomendo.



Ficha Técnica
Título - Biografia Involuntária dos Amantes
Autor - João Tordo
Editora - Alfaguara Portugal
ISBN - 9789896722593
Género - Romance
Sinopse - Numa estrada adormecida da Galiza, dois homens atropelam um javali. A visão do animal morto na estrada levará um deles — Saldaña Paris, um jovem poeta mexicano de olhos azuis inquietos — a puxar o primeiro fio do novelo da sua vida. Instigado pelas confissões desconjuntadas do poeta, o seu companheiro de viagem — um professor universitário divorciado — irá tentar descobrir o que está por trás da persistente melancolia de Saldaña Paris.
A viagem de descoberta começa com a leitura de um manuscrito da autoria da ex-mulher do mexicano, Teresa, que morreu há pouco tempo e marcou a vida do poeta como um ferro em brasa. O narrador não poderia adivinhar (porque nunca podemos saber as verdadeiras consequências dos nossos actos) que a leitura desse manuscrito teria o mesmo efeito sobre a sua vida.
As páginas escritas por Teresa revelam a sua adolescência no seio de uma família portuguesa contaminada pela desilusão: um pai ausente e alcoólico, um tio aventureiro e misterioso, uma mãe demasiado protectora. Mas o que ressalta com maior vivacidade daquelas páginas é o relato enternecedor do seu primeiro amor, ao mesmo tempo que começam a insinuar-se na sua vida realidades grotescas e brutais. Confrontado pela primeira vez com a suspeita dessa terrível possibilidade, Saldaña Paris mergulha numa depressão profunda. Determinado em libertar o amigo do poder corrosivo do mal, o nosso narrador compõe então, peça a peça, a biografia involuntária dos dois amantes. Uma biografia que passa pelo desvelar do passado, para que este não contamine irremediavelmente o futuro.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Histórias Transmitidas © 2014